NOTÍCIAS

STJ – Quarta Turma decide que prazo de cinco anos para denúncia vazia é contado do início da locação do imóvel
05 DE MARçO DE 2021


O termo inicial de contagem do prazo para a denúncia vazia, nas hipóteses de que trata o inciso V do artigo 47 da Lei de Locações (Lei 8.245/1991), coincide com a formação do vínculo contratual. Com esse entendimento, a Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou provimento ao recurso especial interposto por duas inquilinas demandadas em ação de despejo por denúncia vazia depois de mais de cinco anos morando em um imóvel alugado em Salvador.

Em primeira instância, a ação de despejo foi julgada improcedente sob o fundamento de que o prazo legal de cinco anos para a desocupação de imóvel por denúncia vazia tem início quando termina o período original de vigência do contrato. No caso julgado, a locação teve o contrato firmado pelo prazo determinado de um ano, entre 2007 e 2008, com a ação de despejo sendo ajuizada em 2012.

A sentença foi reformada pelo Tribunal de Justiça da Bahia, que entendeu que, segundo a Lei de Locações, o prazo discutido nos autos é contado a partir do surgimento do vínculo contratual nos aluguéis por menos de 30 meses.

Vigência ininterrupta

De acordo com o relator do recurso especial, ministro Antonio Carlos Ferreira, o prazo de cinco anos para a denúncia vazia deve ser contado desde o início da locação, por se tratar de vínculo que continua após o fim do período de validade do contrato por tempo determinado.

“A locação por prazo indeterminado não traduz uma nova contratação, senão o mero prolongamento da avença originária, vigendo ininterruptamente desde que a posse direta do imóvel é transmitida ao locatário – em regra, com a simbólica entrega das chaves”, afirmou.

Em seu voto, o relator destacou também que essa compreensão é reforçada pela exposição de motivos anexa à mensagem presidencial que encaminhou ao Congresso Nacional a proposta originária da Lei de Locações.

Como lembrou o ministro Antonio Carlos Ferreira, o documento propunha que a retomada pelo locador fosse autorizada ao término de “cinco anos de utilização do imóvel pelo locatário”.

Fonte: Superior Tribunal de Justiça

Outras Notícias

Informações

Documentos de identificação
11 de agosto de 2020

Mantenha seus documentos atualizados...


Anoreg RS

Anoreg/RS participa de reunião sobre o lançamento da Frente Parlamentar Notarial e Registral de Porto Alegre
09 de abril de 2021

A instalação da Frente ocorrerá no dia 27 de abril, às 16h, de forma online.


Anoreg RS

Seminário da OAB-SP discute a desjudicialização da execução civil
09 de abril de 2021

Primeiro dia do encontro contou com a participação de juristas e professores para debater o Projeto de Lei...


Anoreg RS

Portal GAZ – Registros de óbitos crescem 40% no 1º trimestre de 2021
09 de abril de 2021

Entre 2019 e 2020 houve aumento de 8,3% no registro de mortes no Brasil.


Anoreg RS

Ponto Inicial – Certidões de óbitos e nascimentos por meio eletrônico crescem 162% na pandemia
09 de abril de 2021

Necessárias para atos cotidianos que vão do sepultamento de um corpo à concessão de benefício do INSS,...


Anoreg RS

G1 RS – RS registra mais mortes do que nascimentos no começo de 2021
09 de abril de 2021

No começo de abril, Portal da Transparência do Registro Civil registrou 2.624 pessoas e 2.014 nascimentos no...


Anoreg RS

Yahoo – SP, MG e RJ registram mais mortes que nascimentos em abril
09 de abril de 2021

Até 6 de abril, Brasil tinha mais registros de óbitos que de nascimentos.


Anoreg RS

R7 – Cartórios do país registram 40% mais óbitos no 1º trimestre de 2021
09 de abril de 2021

Segundo Arpen-Brasil, foram lavradas 434.351 mortes no Brasil entre 1º de janeiro e 31 de março, sendo 131.633 por...


Anoreg RS

CNN – Pela 1ª vez na história, estado brasileiro registra mais mortes que nascimentos
09 de abril de 2021

Rio Grande do Sul registrou 15.802 óbitos e 11.971 nascimentos em março deste ano.


Anoreg RS

UOL – 09/04 – Mortes superam nascimentos, e Sul tem queda inédita de população em março
09 de abril de 2021

O Rio Grande do Sul foi o estado que teve mais emissões de certidões de óbitos em março: 8.148.